Publicidade
Ads
Ads

Longevidade através das escolhas de vida e escolhas alimentares.

Qual o segredo da ? Esta pergunta pode ter inúmeras respostas dependendo para quem foi direcionada.  A religião talvez diga que está na espiritualidade, a no controle de doenças, a na , o educador físico no movimento, a psicologia vai dizer que está na mental. Mas o que sabemos é que a ciência cada vez mais estuda os longevos e a conclusão que se chega é que todos estão certos, mas também errados.

 

Errados por quê? Porque não é uma única resposta. Publicações e pesquisas na área mostram que uma série de fatores podem contribuir para que tenhamos mais pessoas longevas. Importante dizer que não basta viver muito, mas viver bem e com saúde, com autonomia, feliz… Será que o segredo está no que comemos? Posso dizer, como nutricionista que a alimentação tem sim um fator primordial na saúde e desenvolvimento de doenças.

 

Uma das formas de medir a longevidade é o desenvolvimento dos . Os telômeros são estruturas formadas de DNA que estão nas extremidades de nossos cromossomos e tem a função de proteger o material genético que o cromossomo transporta. Todas as nossas células se replicam até a morte celular, à medida que nossa célula se replica o cromossomo vai perdendo pedaços de telômeros. Um cromossomo com telômeros curtos envelhece mais rápido.

 

Pesquisas neste campo mostram que alguns padrões alimentares, como dietas mais ricas em alimentos naturais e vegetarianos com menos utilização de alimentos ultraprocessados podem preservar o tamanho destes telômeros. Além disso, algumas também atuam protegendo estes telômeros de um encurtamento rápido. Isto ocorre porque atuam na enzima telomerase que tem a função de proteger o cromossomo regenerando os telômeros.  Os telômeros também estão presentes em pesquisas de de , portanto nossa alimentação vai influenciar positiva ou negativamente na qualidade e tempo de vida, além do desenvolvimento de doenças.

 

Mas, como disse no início desta escrita, não é apenas um fator, mas um conjunto de fatores. Se você for profissional de saúde não deixe de assistir o documentário “Como viver até os 100 anos: Os segredos das ” Ele conta um pouco da pesquisa feita por alguns profissionais cientistas, médicos e demógrafos. Começou com o demógrafo belga Michel Poulain e o médico italiano Gianni Pes que descobriram uma população com muitas pessoas longevas na região da Barbaglia, na Sardenha/Itália, a zona azul. Mais tarde, o pesquisador americano Dan Buettner começou a trabalhar para identificar outras áreas com altas taxas de longevidade e encontrou outras quatro zonas azuis: Okinawa, no Japão; Icaria, na Grécia; Loma Linda, na Califórnia; e Península de Nicoya, na Costa Rica. 

 

O resultado deste trabalho é muito interessante, a medida em que estas regiões eram estudadas observou-se uma repetição em comportamentos:

 

1.  Ter como padrão alimentar uma dieta rica em produtos à base de plantas e carboidratos complexos. Carnes, peixe e produtos lácteos eram consumidos, mas em quantidades mais baixas.

2.    Não comer até se empanturrar ou até se sentir completamente saciado, deixar um espaço, acabar a refeição antes de se sentir completamente satisfeito.

3.     Consumo moderado de bebida alcoólica, não inexistente, muitos longevos tinham o hábito de beber um pouco.

4.    Movimentar-se, as pessoas que moravam nestas regiões tinham em sua rotina hábitos de vida que estimulavam estar em atividade, não precisavam ir praticar atividade física, sua rotina diária já envolvia este movimento, não existia sedentários entre os longevos.

5.    Reduzir o estresse, nestas regiões observou-se sempre ter algo no decorrer do dia que ajudava no controle do estresse, como por exemplo tirar um cochilo ou meditar.

6.     Ter um propósito, uma atividade que te faça acordar todos os dias. Na comunidade japonesa eles chamam de “ikigai”.

7.     Participar de grupos sociais que promovam atividades.

8.     Participar de atividades de religiosidade.

9.     Conviver com a família, construir e manter relacionamentos sólidos com faixas etárias distintas.

 

Talvez você esteja dizendo: mas e a genética? Claro que a genética é um fator importante na nossa saúde e desenvolvimento de doenças, mas não somos escravos dos nossos genes. Eles podem ser nosso ponto de partida, mas cada vez mais a epigenética e a nutrigenômica estão aí para dizer que é possível uma “virada de chave” na modulação genética.  Podemos verificar que os nove fatores destacados nas zonas azuis não são práticas impossíveis de serem feitas e que o “segredo” pode ser começar cedo. Outra observação importante é que apesar de ter um padrão observado, cada pessoa é única, e toda dieta mais específica deve ser orientada de acordo com as questões de vida e patologias que possam existir.

 

Mas, se você quer começar a pensar sobre sua longevidade, recomendo ir mudando seus hábitos de vida e hábitos alimentares aos poucos. Leia a respeito, procure ajuda de profissionais de saúde que trabalhem com medicina preventiva e integrativa. Se queremos ser longevos precisamos começar com equilíbrio, comportamentos extremos e radicalismos não foram descritos nas zonas azuis.

 

 

Maria Angélica Fiut

Nutricionista e Fitoterapeuta.

CV: http://lattes.cnpq.br/6072201392479927 

Endereço clínica: Avenida João Cabral de Melo Neto, 200, bloco 05, sala 201. Rio de Janeiro.

Telefone comercial: (21) 97121-6709

Instagram: @angelicafiut  

Angélica Fiut

Nutricionista e Fitoterapeuta. Docência em nutrição, fitoterapia e psicanálise. Presidente da Associação Brasileira de Fitoterapia (ABFIT) Coordenadora da Pós Graduação: Fitoterapia na Prática Clinica ABFIT. Ceo e Co-fundadora da Phitoteca. Mestre em Psicanálise Saúde e Sociedade . Especialista : Fitoterapia aplicada a nutrição; Nutrição Clinica; Nutrição Ortomolecular. Desde 2001 em atendimento nutricional domiciliar e clínico. Formação em Semiologia na Medicina Tradicional Chinesa (MTC). Membro em Formação Freudiana. Conteudista do Ministério da Saúde em Cursos de Fitoterapia. Conteudista da Associação Brasileira de Nutrição (ASBRAN) no Sistema de Educação Continuada (PRONUTRI). Autora do Livro Doenças Contemporâneas Relacionadas a Alimentação: Contribuições da Psicanálise (2020) Co-autora dos livros: Pais (não) Nascem Prontos- adolescentes (2023) ,Síndrome Metabólica e Suas Implicações Clínicas (2018) e Manual de Prescrição de Fitoterápicos pelo Nutricionista (2019).

Todos os posts

Posts Relacionados

  • All Post
  • Beleza
  • Bem estar
  • Convidados
  • Editorial
  • Entrevistas
  • Estética
  • Notícias
  • Saúde
Fonte Freepik

8 de março de 2024/

Dia Internacional da Mulher – Nossa homenagem será durante todo o mês de março O Dia…

Publicidade
Ads
Ads

Nota: A informação online é valiosa, mas não substitui a consulta médica. Websites oferecem conhecimentos gerais, porém, cada pessoa é única. A avaliação profissional personalizada é crucial para diagnósticos precisos e tratamentos adequados. Autodiagnóstico e automedicação apresentam riscos. Médicos atualizam constantemente seu conhecimento. Consultas regulares são essenciais para detectar precocemente problemas de saúde. Use a internet como complemento educacional, mas confie no profissional de saúde para decisões informadas sobre seu bem-estar.

© 2024 Lume Saúde e Beleza | Todos os direitos reservados | CNPJ: 52.292.734/0001-95

Criado por www.digitalpathx.com.br

Categorias

Tags